NESTA LISTA

Os índices Dow Jones Dividend 100 parte 1: focados na sustentabilidade e qualidade dos dividendos

Os índices Dow Jones Dividend 100 parte 2: fatores fundamentais fortes e os benefícios da diversificação

Por que o investimento passivo pode ser usado nas estratégias temáticas

Metas de emissão zero e objetivos de temperatura: dois lados da mesma moeda?

Estreando um especial de SPIVA

Os índices Dow Jones Dividend 100 parte 1: focados na sustentabilidade e qualidade dos dividendos

Contributor Image
George Valantasis

Associate Director, Strategy Indices

S&P Dow Jones Indices

Este artigo foi publicado originalmente no blog de Indexology® em 20 de janeiro de 2023.

Olhando para trás, 2022 foi um ano impressionante para os índices passivos de dividendos, tanto com relação ao desempenho quanto às entradas de investimento por causa do aumento das taxas de juros. O Dow Jones U.S. Dividend 100 Index e o Dow Jones International Dividend 100 Index foram dois dos índices com desempenho destacado, o que pode ser devido à sua ênfase em fatores fundamentais fortes e em pagamentos de dividendos robustos.

Quadro 1: desempenho dos retornos totais em 2022

Neste artigo, vamos examinar o foco dos dois índices na sustentabilidade e qualidade dos dividendos, também revisaremos seu desempenho histórico e os rendimentos de dividendos. E num seguinte artigo analisaremos seus fatores fundamentais e apresentaremos simulações históricas de provas retrospectivas que combinam a versão americana e internacional para aqueles que desejam ver os benefícios da diversificação.

Requisitos de fatores fundamentais estritos

Ambos os índices Dow Jones Dividend têm requisitos estritos de fatores fundamentais para selecionar seus componentes. São exigidos múltiplos requisitos, incluindo um requisito de valor, crescimento e, mais amplamente, de qualidade (há também um requisito de baixa volatilidade que é aplicado na versão internacional).

Guiados por suas metodologias, os índices começam incluindo somente empresas que pagaram dividendos durante os últimos 10 anos consecutivos. Depois, as ações são classificadas pelo seu rendimento de dividendos anualizado indicado (IAD) e as ações abaixo da mediana de rendimento IAD elegível são eliminadas.

Quadro 2: processo de seleção

Depois, são selecionadas as 100 ações mais bem classificadas com base na sua pontuação composta ponderada equitativamente, que inclui o fluxo de caixa livre (FCF) dividido pela dívida total, o retorno sobre o patrimônio (ROE), o rendimento IAD e a taxa de crescimento de dividendos de cinco anos. O Dow Jones International Dividend 100 Index inclui um passo de seleção adicional que elimina a metade inferior de ações com a maior volatilidade do preço de três anos. Por último, ambos os índices ponderam seus componentes trimestralmente usando uma abordagem de capitalização de mercado ajustada ao free float (sujeita a limites de peso).

Essa ênfase nos requisitos de múltiplos fatores é única e gera medidas fundamentais superiores em comparação com seus benchmarks, os quais examinaremos na segunda parte deste conjunto de artigos. Especificamente, são importantes as medidas de qualidade como o FCF dividido pela dívida total e o ROE. O FCF dividido pela dívida total mede quanto tempo uma empresa leva para pagar sua dívida usando apenas seu fluxo de caixa livre, e o ROE mede a eficiência com que uma empresa utiliza o capital dos acionistas para gerar lucros.

pdf-icon PD F Baixar artigo completo

Os índices Dow Jones Dividend 100 parte 2: fatores fundamentais fortes e os benefícios da diversificação

Contributor Image
George Valantasis

Associate Director, Strategy Indices

S&P Dow Jones Indices

Este artigo foi publicado originalmente no blog de Indexology® em 24 de janeiro de 2023 .

Na parte um desta série de artigos, destacamos como os rigorosos requisitos de sustentabilidade e qualidade dos dividendos do Dow Jones US Dividend 100 Index e do Dow Jones International Dividend 100 Index podem ter levado estes índices a ganhar do mercado em 2022 e em outros períodos inflacionários.

Nesta parte, analisaremos os efeitos positivos que esses requisitos tiveram sobre os fatores fundamentais de ambos os índices, além de examinarmos exemplos de combinação do índice internacional com o dos EUA para aproveitar os possíveis benefícios da diversificação.

Comparação dos fatores fundamentais

Os quadros 1, 2 e 3 demonstram a melhora significativa nas medidas de valor e qualidade de ambos os índices Dow Jones 100 em comparação com seus benchmarks respectivos. O quadro 1 demonstra que ambos os índices Dow Jones Dividend 100 negociaram com desconto em relação a seus benchmarks em cada medida de valorização. Uma inclinação para o fator valor poderia ser importante em um ambiente de aumentos nas taxas de juros, visto que as ações de valor tendem a receber maiores fluxos de caixa no curto prazo e, portanto, normalmente têm uma duração menor do que as ações de crescimento. Mantendo todas as outras condições inalteradas, as ações de valor poderiam ter um desempenho melhor em um ambiente de aumento nas taxas de juros comparadas com as ações de crescimento.

Além disso, como os quadros 2 e 3 demonstram, ambos os índices Dow Jones Dividend 100 tiveram uma vantagem de qualidade e uma redução da volatilidade em comparação com seus benchmarks respectivos. É possível que essas características fossem particularmente benéficas em meio do rápido aumento das taxas de juros e a deterioração do ambiente econômico em 2022.

Quadro 1: Relações de valorização dos fatores fundamentais

Quadro 2: retorno sobre o patrimônio (ROE) e volatilidade – Dow Jones U.S. Dividend 100 Index contra o benchmark

pdf-icon PD F Baixar artigo completo

Por que o investimento passivo pode ser usado nas estratégias temáticas

Contributor Image
Anu R. Ganti

Senior Director, Index Investment Strategy

Este artigo foi publicado originalmente no blog de Indexology® em 9 de fevereiro de 2023.

Os fundos que acompanham o desempenho de índices, que quase não existiam há 50 anos, cumprem na atualidade uma função importante nos mercados financeiros globais. No entanto, o investimento passivo não domina todos os segmentos do mercado. Recentemente, temos visto um crescimento exponencial do chamado investimento “temático” com uma proliferação de temas em áreas como segurança cibernética, robótica e veículos elétricos. Às vezes, considera-se que este campo mais granular oferece maiores oportunidades para a seleção ativa de valores, em lugar de uma abordagem baseada em índices.

Em categorias tradicionais, os investidores passivos se beneficiam significativamente ao economizar nas taxas de administração e evitar os resultados inferiores da gestão ativa. O nosso artigo recentemente publicado, The Case for Indexing Thematics with the S&P Kensho New Economies, mostra que princípios muito semelhantes podem se aplicar ao segmento de estratégias temáticas.

No caso de mercados acionários amplos, uma causa importante da dificuldade de atingir um desempenho superior através da seleção de valores individuais é que, na maioria dos mercados, a distribuição de retornos de ações individuais tem uma assimetria positiva, o que leva a que apenas uma minoria dos componentes ganhe do índice, especialmente à medida que o horizonte temporal se estende. O universo de ações definido pelo S&P Kensho New Economies Composite Index (índice composto) não é uma exceção. O quadro 1 mostra a distribuição dos retornos acumulados dos componentes do índice nos últimos quatro anos: o retorno mediano de -9,7% é muito inferior à média de 17,3% e, durante o período, apenas 37% das ações superaram o índice.

Quadro 1: apenas 37% das ações ganharam do S&P Kensho New Economies Composite Index durante um período de quatro anos

Isto destaca as dificuldades para os gestores ativos de estratégias temáticas que tentam ganhar dos seus benchmarks com carteiras concentradas, porque quando confrontados com uma distribuição de retornos com assimetria positiva (como no quadro 1), manter mais ações aumenta a probabilidade de um desempenho superior. O problema é particularmente preocupante no âmbito das estratégias temáticas, uma vez que, dada a natureza inerentemente granular de certos temas, o desafio de evitar uma concentração excessiva é especialmente pertinente. Por exemplo, há apenas 31 componentes dentro do S&P Kensho Robotics Index, que mede um dos 25 subsetores representados pelos 559 componentes do S&P Kensho New Economies Composite Index (em 30 de dezembro de 2022). Além de ser diversificado por temas, a concentração do índice composto é também mitigada por uma abordagem modificada de ponderação equitativa utilizada na construção de cada subsetor. O resultado é um índice menos concentrado do que seria com um esquema simples de ponderação por capitalização de mercado.

pdf-icon PD F Baixar artigo completo

Metas de emissão zero e objetivos de temperatura: dois lados da mesma moeda?

Contributor Image
Barbara Velado

Senior Analyst, Research & Design ESG Indices

S&P Dow Jones Indices

Este artigo foi publicado originalmente no blog de Indexology® em 31 de janeiro de 2023.

Para muitas pessoas, um novo ano representa uma chance de definir novos objetivos e de marcar (ou apagar) a lista de resoluções do ano anterior. Se este exercício de definir objetivos funciona ou não é discutível. E um fenômeno semelhante pode ser observado dentro das empresas. O consenso científico sustenta que as emissões líquidas zero (net zero) devem ser alcançadas em 2050 se o mundo pretende manter os níveis de aquecimento abaixo de 1,5°C, em linha com os objetivos do Acordo de Paris. Assim, um número crescente de empresas, países e investidores vêm estabelecendo metas relacionadas ao clima, que constituem um dos quatro pilares das recomendações apresentadas pelo Grupo de Trabalho sobre Divulgações Financeiras Relacionadas ao Clima (TCFD).

Metas de emissão zero: do compromisso à ação

A Iniciativa de Metas Baseadas na Ciência (SBTI) é uma das principais entidades quando se trata de apoiar as empresas na definição e validação de metas confiáveis. Para serem validadas pela SBTI, as metas devem cobrir os escopos de emissões relevantes, além de serem limitadas no tempo e específicas.

De um ponto de vista regional, a Europa está na liderança quando se trata de estabelecer metas corporativas net zero, já que mais de 40% das empresas por capitalização de mercado dentro do S&P Europe 350®  já definiram uma meta, enquanto que cerca de um quarto das empresas do S&P 500® o fizeram (ver quadro 1). Todos os índices ESG da S&P DJI

equivalentes aos universos avaliados têm um percentual maior de empresas com metas de emissão zero (ver gráfico da esquerda). De uma perspectiva setorial, mais da metade das empresas de Produtos Básicos de Consumo têm uma meta verificada, mas quase nenhuma do setor de Energia o conseguiu, devido ao seu envolvimento com combustíveis fósseis (ver gráfico à direita).

Mas será que o estabelecimento de metas corporativas constitui um sinal de alinhamento com os objetivos do Acordo de Paris? Intuitivamente, poderíamos esperar que as empresas que estabeleceram metas de emissão zero tenham maior probabilidade de estar em uma trajetória de 1,5°C por meio de esforços relativos ou absolutos de descarbonização. No entanto, estes poderiam ser apenas dois lados da mesma moeda. Embora as metas indiquem compromisso (ou mesmo ambição), os modelos de alinhamento de temperatura da S&P Global comparam as emissões projetadas históricas e prospectivas com um orçamento de carbono

pdf-icon PD F Baixar artigo completo

Estreando um especial de SPIVA

Contributor Image
Tim Edwards

Managing Director and Global Head of Index Investment Strategy

Este artigo foi publicado originalmente no blog de Indexology® em 11 de janeiro de 2023.

Há trinta anos, Bill Clinton se preparava para sua posse como o Presidente 42 dos EUA, o S&P 500® fechava um pouco acima de 430 e a última edição da revista Business Week anunciava que 1993 seria "o ano de escolher sabiamente" no mercado de ações. Entretanto, um tipo diferente de valor estava prestes a fazer sua revolucionária estreia na Bolsa de Nova York; um que tornaria possível negociar uma quantidade de ações igual à que contém um índice, todas de uma vez.

Em 29 de janeiro de 2023, o fundo cotado em bolsa que tem sobrevivido por mais tempo no mundo — conhecido inicialmente como Standard & Poor's Depositary Receipt ou pelo acrônimo SPDR — celebra 30 anos desde que começou a ser negociado. Na atualidade, ele está entre os maiores fundos do mundo, e em alguns dias é o valor mais negociado de todos; e hoje comemoramos seu aniversário com uma edição especial de nossa análise SPIVA®, que cobre os 29 anos e meio desde o lançamento do fundo.

O quadro 1 compara o desempenho dos fundos mútuos ativos de renda variável dos EUA durante o período de quase 30 anos usando as mesmas ferramentas analíticas e fontes de dados que nossos Scorecards SPIVA dos EUA habituais e com base nos últimos finais de trimestre. Estão destacadas as estatísticas para a categoria dos principais índices de alta capitalização dos EUA e todos os fundos ativos de renda variável dos EUA de investimento nacional.

Quadro 1: fundos ativos de renda variável contra o S&P 500

Os números contam uma história notável. Durante todo o período, apenas 2% dos principais fundos ativos de alta capitalização venceram o S&P 500. Mesmo em categorias como crescimento e ações de pequeno e médio porte — que se beneficiaram de um universo com desempenho superior — um mínimo de 81% dos fundos ativos perdeu para o benchmark. Em geral, em todas as categorias, 90% dos fundos de gestão ativa perderam para o S&P 500.

As taxas mais altas que normalmente cobram os fundos ativos poderiam ser parte das razões pelas quais tantos fundos perderam para o benchmark, embora outros fatores também possam ter contribuído. Os fundos que acompanham índices e os ETFs também cobram taxas, mas os resultados do quadro 1 não seriam alterados significativamente ao considerá-las. Mesmo entre os fundos sobreviventes — que facilmente poderíamos supor que em geral tiveram melhor desempenho — 57% dos fundos nacionais dos EUA perderam para o S&P 500 por mais de um ponto percentual por ano. Para ilustrar a gama dos retornos, o quadro 2 mostra a distribuição de retornos anualizados para todos os fundos ativos de renda variável de investimento no EUA que sobreviveram e registraram um retorno de período completo. Também mostra a divisão da sobrevivência dos fundos. Como referência, o fundo SPDR tinha uma taxa inicial de 0,2% anual (posteriormente foi reduzida para pouco menos de 0,1%).

Quadro 1: distribuição dos retornos de fundos de gestão ativa

Investir num fundo que acompanhava um índice foi visto (por alguns) como uma admissão de derrota lá no início de 1993. Na melhor das hipóteses, os fundos vinculados a índices estavam "se contentando com pouco". Mas, como se constatou mais tarde, uma carteira que replicasse aproximadamente o retorno do S&P 500 estaria muito acima da média desde então. Espero que você se junte à equipe da S&P DJI para desejar um feliz aniversário de 30 anos para o fundo SPDR.

pdf-icon PD F Baixar artigo completo