NESTA LISTA

Perguntas frequentes: Backtesting ESG: Visão geral da Assunção de Dados Retrospectivos

O S&P/B3 Ingenius Index: Trazendo a inovação global para o mercado brasileiro

O S&P IPSA ESG Tilted Index: Um novo benchmark para medir a sustentabilidade no Chile

Comparando índices icônicos: O S&P 500 e o DJIA

Scorecards SPIVA: Panorama geral

Perguntas frequentes: Backtesting ESG: Visão geral da Assunção de Dados Retrospectivos

1. O que significa a “Assunção de Dados Retrospectivos” a respeito dos dados ESG?

Tipicamente, quando a S&P DJI cria dados de índices mediante backtesting, utiliza informações de bancos de dados relevantes, ou dados reais ao vivo. Exemplos incluem dados no nível dos componentes, tais como preço histórico, capitalização de mercado e dados de eventos corporativos. Uma vez que o investimento em ESG ainda está na etapa inicial de desenvolvimento, é possível que alguns pontos de dados utilizados para calcular os índices ESG da S&P DJI não estejam disponíveis para o período completo desejado de histórico de backtesting. Em tais casos, a S&P DJI pode empregar um processo chamado de “Assunção de Dados Retrospectivos” dos dados ESG para o cálculo do desempenho histórico mediante backtesting.

A “Assunção de Dados Retrospectivos” é um processo que aplica o ponto de dados reais mais antigo disponível para um componente do índice a todas as instâncias históricas anteriores no universo do índice. Por exemplo, se uma metodologia exigir que todos os componentes elegíveis tenham dados de envolvimento de produto, e os dados reais de envolvimento de produto só estiverem disponíveis para uma empresa a partir de 2015, então a S&P DJI utilizará os dados de envolvimento de produto de 2015 para essa empresa para fins de calcular os dados retrospectivos para os anos entre 2010 e 2014.

2. Por que a “Assunção de Dados Retrospectivos” às vezes é necessária para dados ESG?

Empregar a técnica de Assunção de Dados Retrospectivos geralmente fornece uma descrição mais indicativa das características do índice e do perfil de risco/retorno do que seria fornecido ao limitar as provas retrospectivas aos dados reais ao vivo. A Assunção de Dados Retrospectivos também permite estender o backtesting hipotético por mais anos históricos do que seria possível utilizando somente dados reais.

Muitos provedores de dados ESG começaram com cobertura limitada e têm aumentado sua cobertura histórica ao longo dos últimos anos, de modo que a criação de provas retrospectivas que utilizam apenas dados históricos reais ao vivo muitas vezes levaria a características não representativas dos componentes dos índices. Sem a Assunção de Dados Retrospectivos, um número muito menor de empresas seriam elegíveis ou selecionadas do universo de índices no backtesting em comparação com o universo mais recente e atual de componentes elegíveis e selecionados do mesmo índice.

Portanto, a S&P DJI pode empregar uma metodologia de Assunção de Dados Retrospectivos para fornecer um período de backtesting mais longo e mais representativo.

3. Algum rebalanceamento de índices é afetado pelas práticas de Assunção de Dados
Retrospectivos?

Os dados reais ao vivo são usados no cálculo do rebalanceamento de um índice imediatamente antes do lançamento e em todos os rebalanceamentos após o lançamento do índice. A Assunção de Dados Retrospectivos somente poderá afetar o backtesting histórico anterior a esses cálculos.

pdf-icon PD F Baixar artigo completo

O S&P/B3 Ingenius Index: Trazendo a inovação global para o mercado brasileiro

Contributor Image
Silvia Kitchener

Director, Global Equity Indices, Latin America

INTRODUÇÃO

Nos últimos cinco anos, o mundo observou o aumento radical na capitalização de mercado de empresas tecnológicas como Facebook, Amazon, Apple, Netflix e Google (agora Alphabet), coletivamente conhecidas como as ações FAANG. Os desempenhos destas ações nos últimos cinco anos foram bastante notáveis, atingindo média de valorização acima de 250% e um desempenho superior em 15,5% ao S&P 500® (confira o quadro 1).

Em 11 de maio de 2020, a S&P Dow Jones Indices (S&P DJI) e a B3 lançaram o S&P/B3 Ingenius Index para o mercado brasileiro. O índice procura medir o desempenho de empresas globais que criam muitos dos produtos e serviços inovadores que permeiam o mundo moderno e que estão transformando quase todos os aspectos da vida diária, incluindo a forma com que nos comunicamos, trabalhamos, nos divertimos e compramos.

Com o lançamento do S&P/B3 Ingenius Index, a S&P DJI proporciona um índice que procura medir o desempenho de quinze companhias inovadoras globais cotadas na B3 como recibos de depósito brasileiros (BDRs, Brazilian Depositary Receipts), o que fornece aos investidores locais acesso a ativos estrangeiros.

pdf-icon PD F Baixar artigo completo

O S&P IPSA ESG Tilted Index: Um novo benchmark para medir a sustentabilidade no Chile

Contributor Image
Cristopher Anguiano

Senior Analyst, Global Research & Design

Contributor Image
María Sánchez

Associate Director, Global Research & Design

Contributor Image
Reid Steadman

Managing Director, Global Head of ESG & Innovation

INTRODUÇÃO

Índices que integram dados ambientais, sociais e de governança corporativa (ESG pela sigla em inglês) estão se convertendo em uma tendência principal da indústria à medida que os participantes do mercado procuram cada vez mais alinhar seus valores com seus investimentos. Um novo tipo de índice ESG foi desenvolvido para facilitar esta mudança no Chile: o S&P IPSA ESG Tilted Index. O índice, desenvolvido em conjunto pela S&P Dow Jones Indices (S&P DJI) e a Bolsa de Santiago (BCS), não somente destaca empresas com um desempenho forte em ESG, mas também permite alocar recursos para este tipo de companhias enquanto procura limitar riscos significativos em relação ao mercado.

A EVOLUÇÃO DOS ÍNDICES ESG

Em 1999, a S&P DJI lançou o primeiro índice ESG global, o Dow Jones Sustainability™ World Index (DJSI World). Ele inclui o patamar superior (10%) das empresas de cada indústria de acordo com seu desempenho ESG, conforme determinado pela Avaliação de Sustentabilidade Corporativa (CSA) realizada pela S&P Global. Este índice inovador encorajou as empresas a incorporar vários fatores ESG em suas decisões, para além de considerações financeiras de curto prazo.

Nos anos que se seguiram, outros índices, incluindo versões regionais do DJSI World, como o DJSI Emerging Markets, foram lançados com esta mesma filosofia em mente: destacar as melhores empresas de sua classe e assim inspirar as companhias a melhorar suas abordagens ESG para serem incluídas nestes índices.

Embora estes índices tenham sido bem-sucedidos e tenham de fato inspirado as empresas a mudar de forma positiva, aspectos de suas metodologias podem apresentar desafios para muitos investidores. Algumas estratégias podem ser muito restritas para investidores que visam permanecer amplamente diversificados. Embora muitos participantes do mercado com alta convicção utilizem estes índices restritos que seguem a abordagem “melhores de sua classe”, vimos que eles precisavam de índices ESG com retornos mais alinhados com o mercado amplo, que ao mesmo tempo proporcionem uma carteira mais sustentável de empresas. 

pdf-icon PD F Baixar artigo completo

Comparando índices icônicos: O S&P 500 e o DJIA

Contributor Image
Garrett Glawe

Managing Director, Head of U.S. Equity Indices

S&P Dow Jones Indices

INTRODUÇÃO

O S&P 500 e o Dow Jones Industrial Average® (DJIA), que procuram acompanhar as empresas large cap dos EUA, são dois dos índices mais icônicos no mundo. Estes índices mudaram a forma em que os investidores medem o mercado de valoram e comparam as carteiras de investimento com índices de referência. Também servem como base para alguns dos produtos vinculados a índices e contratos de derivados mais bem-sucedidos do mundo.

No final de 2019, estimamos que havia mais de US$ 11,2 trilhões vinculados ao S&P 500, o que inclui US$ 4,6 trilhões em ativos que acompanham passivamente o índice. Comparativamente, havia US$ 32 bilhões vinculados ao DJIA, o que inclui US$ 28 bilhões em ativos de investimento passivo.

De acordo com os nossos cálculos acima, o S&P 500 foi o vencedor da batalha para atrair ativos. No entanto, o DJIA oferece várias vantagens, incluindo a sua simplicidade e uma trajetória maior (comemorou o seu 125° aniversário em 26 de maio de 2021). Como discutimos em pesquisas anteriores,2 os volumes de transação dos produtos de investimento vinculados ao DJIA são altos em relação ao número de ativos que o acompanham.

O S&P 500 e o DJIA têm perfis de risco/retorno similares e uma correlação elevada nos últimos três anos. No entanto, há diferenças importantes entre ambos os índices que os investidores deveriam levar em consideração:

  • Número de componentes
  • Tamanho das empresas que os compõem
  • Esquema de ponderação
  • Representação setorial
  • Medidas fundamentais
  • Exposições fatoriais

pdf-icon PD F Baixar artigo completo

Scorecards SPIVA: Panorama geral

O QUE É SPIVA?

Os scorecards SPIVA (S&P Indices versus Active) são relatórios semestrais divulgados pela S&P Dow Jones Indices que comparam o desempenho de fundos mútuos de renda fixa e renda variável contra os seus índices de referência ou benchmarks em diversos horizontes temporais. O primeiro scorecard foi publicado em 2002 e se concentrou nos EUA. Desde então, o relatório se estendeu para Austrália, Canadá, Europa, Índia, Japão, América Latina e África do Sul.

O QUE DISTINGUE ESTES SCORECARDS?

Os scorecards SPIVA são únicos porque se apoiam em conjuntos de dados que abordam temas relacionados a técnicas de medição, composição dos universos e a sobrevivência dos fundos. Embora estes temas não sejam discutidos com tanta frequência, podem ter um impacto significativo nos resultados. Em particular, estes conjuntos de dados levam em conta os seguintes fatores:

Correção do viés de sobrevivência: Muitos fundos podem ser liquidados ou fundidos durante um período. Para alguém que precisa tomar uma decisão de investimento no início do período, esses fundos fazem parte do conjunto de oportunidades. Diferentemente de outros relatórios disponíveis, os scorecards SPIVA eliminam o viés de sobrevivência ao levar em consideração o conjunto de oportunidades completo e não apenas os fundos que sobrevivem.

Comparação equivalente: Com frequência, os retornos dos fundos são comparados com o S&P 500® , independentemente das classificações de tamanho ou estilo. Para evitar essa armadilha, os scorecards SPIVA comparam a performance dos fundos com benchmarks apropriados para cada categoria de investimento.

Por exemplo, os fundos Mid Cap de valor dos EUA são comparados com o S&P MidCap 400® Value, enquanto o S&P SmallCap 600® Growth serve como benchmark para os fundos Small Cap de crescimento.

pdf-icon PD F Baixar artigo completo

Processando ...