NESTA LISTA

Reguladores e investidores procuram converter ESG em tendência principal na América Latina

O Chile se inclina para a sustentabilidade

Ações da América Latina fecham o ano no vermelho apesar do quarto trimestre mais forte em 20 anos

Scorecard SPIVA® da América Latina - Primeiro semestre de 2020: Convergência no desempenho inferior

Medindo a inovação: Percepções essenciais numa era de perturbação da economia global

Reguladores e investidores procuram converter ESG em tendência principal na América Latina

Contributor Image
Silvia Kitchener

Director, Global Equity Indices, Latin America

Embora muitos investidores estejam interessados no investimento ESG na América Latina, a demanda por essas estratégias pode ser impulsionada principalmente pelos administradores de fundos de pensão e reguladores da região. Os administradores de fundos de pensão na América Latina administram bilhões de dólares dos milhões de trabalhadores que economizam para suas aposentadorias. Não surpreende que os reguladores de fundos de pensão reconheçam a importância de implementar normas e políticas ESG para salvaguardar esses investimentos. Vários países estão procurando promulgar regulamentações que exigiriam que os administradores de fundos de pensão incluíssem critérios ESG em suas decisões de investimento.

Atividades regulatórias na região
▪ A CONSAR (Comissão Nacional do Sistema de Economia para a Aposentadoria) do México estabeleceu que a partir de janeiro de 2022, as AFORES (administradores de fundos de pensão) devem implementar algum tipo de critério ESG em suas decisões de investimento. Muitas delas já cumpriram essa regra.
▪ A SBS (Superintendência de Banca, Seguros e AFP) do Peru está em consulta com o mercado local para incluir critérios ESG possivelmente em julho de 2021.
▪ A Superintendência de Pensões do Chile exige que as AFP (administradores de fundos de pensão) acrescentem critérios ESG, bem como considerar questões de risco climático em suas decisões de investimento até maio de 2021.
▪ A Superintendência Financeira da Colômbia (SFC) está avaliando incluir critérios ESG, embora sem uma data definitiva. O grupo de trabalho da SFC publicou recentemente seus dois objetivos principais: promover o financiamento verde e mitigar o risco climático e ESG no sistema de fundos de pensão.
▪ A Superintendência Nacional de Previdência Complementar (PREVIC) está consultando com os fundos de pensão locais sobre quais critérios ESG deveriam fazer parte de suas decisões de investimento.

pdf-icon PD F Baixar artigo completo

O Chile se inclina para a sustentabilidade

Contributor Image
Reid Steadman

Managing Director, Global Head of ESG & Innovation

Quando os investidores pensam em sustentabilidade, geralmente no primeiro que pensam são empresas progressistas sediadas nos países nórdicos, na França ou na Suíça, mas esta é uma visão ultrapassada. A sustentabilidade se expandiu para além dessas regiões, especialmente para a América Latina, onde poderíamos dizer facilmente que as melhoras em padrões ambientais, sociais e de governança corporativa (ESG, pela sigla em inglês) são ainda mais importantes. Há simplesmente mais terreno a abranger.

No entanto, nos mercados emergentes são precisas mais ferramentas para ajudar os investidores a tomar decisões informadas. Com isto em mente, a Bolsa de Santiago e a S&P Dow Jones Indices trabalharam em conjunto para lançar o novo S&P IPSA ESG Tilted Index a fim de estabelecer o padrão para o investimento sustentável no mercado chileno de valores.

Definindo um benchmark sustentável

O S&P IPSA ESG Tilted Index é um benchmark moderno de sustentabilidade. Os índices ESG criados nos primeiros dias do movimento de investimento sustentável tendiam a ser restritos e a se focar nas melhores empresas segundo critérios ESG ou em um tema único, como a energia limpa. Os índices de referência ESG traçaram um novo caminho, ainda incorporando rigorosos critérios ESG, mas de uma forma que retém um amplo conjunto de empresas, o que tende a gerar retornos menos voláteis, mais parecidos com os de um benchmark. O S&P IPSA ESG Tilted Index se encaixa neste novo molde.

A inclinação do índice principal, o S&P IPSA, para empresas mais sustentáveis é a caraterística que define este índice e, finalmente, o que impulsiona as melhoras em sustentabilidade. Entretanto, antes deste ajuste fundamental, algumas exclusões básicas são feitas de acordo com as normas internacionais. Em primeiro lugar, são excluídas empresas que ultrapassam o limite de receitas relacionadas a atividades comerciais comumente vistas como pouco desejáveis por investidores em sustentabilidade em todo o mundo. Isto inclui a participação nas indústrias de armas controversas (como armas nucleares ou químicas), tabaco, extração de carvão ou geração de energia a partir de carvão. Além disso, são excluídas as empresas que não cumprem com os critérios do Pacto Global da ONU devido a violações relacionadas a direitos humanos, corrupção, direitos trabalhistas e meio ambiente.

Após realizar todas estas exclusões, é modificada a ponderação dos componentes com base em suas pontuações ESG da S&P DJI, uma medida holística de sustentabilidade baseada na Avaliação de Sustentabilidade Corporativa da S&P Global (CSA). A metodologia do índice detalha este processo, mas, resumindo, as empresas são padronizadas dentro dos seus grupos de indústrias segundo as suas pontuações ESG e recebem uma “pontuação de inclinação”. A ponderação original da empresa que faz parte do S&P IPSA é multiplicada pela sua pontuação de inclinação para obter una nova ponderação no S&P IPSA ESG Tilted Index.

pdf-icon PD F Baixar artigo completo

Ações da América Latina fecham o ano no vermelho apesar do quarto trimestre mais forte em 20 anos

Contributor Image
Silvia Kitchener

Director, Global Equity Indices, Latin America

A volatilidade é muitas vezes o fator persistente nos mercados da América Latina. Embora o ano de 2020 não tenha sido uma exceção, os mercados globais também foram atingidos pela volatilidade da COVID-19. A pandemia global exacerbou a incerteza em todo o mundo e todos os mercados de capitais foram prejudicados, particularmente durante o primeiro trimestre de 2020.

O S&P Latin America BMI teve a maior perda (-46,0%) entre os nossos principais índices regionais no primeiro trimestre, seguido pelo S&P MILA Pacific Alliance Composite (-37,5%), que representa a América Latina excluindo o Brasil. As ações da América Latina subiram no segundo trimestre, mais ou menos em linha com a recuperação global, mas depois caíram no terceiro trimestre. Impulsionado pelo otimismo econômico global após os anúncios de desenvolvimento de vacinas, o S&P Latin America BMI encabeçou o ranking no quarto trimestre, se valorizando mais de 30%. Contudo, isso não foi suficiente para recuperar as perdas do início do ano, uma vez que o índice encerrou 2020 com uma queda de 12,9%.

pdf-icon PD F Baixar artigo completo

Scorecard SPIVA® da América Latina - Primeiro semestre de 2020: Convergência no desempenho inferior

Contributor Image
María Sánchez

Associate Director, Global Research & Design

Recentemente publicamos o nosso famoso scorecard SPIVA para a região da América Latina. SPIVA (S&P Indices Versus Active) analisa o desempenho de fundos mútuos de gestão ativa em comparação com seus respectivos benchmarks. No caso da América Latina, a S&P Dow Jones Indices começou a publicar o scorecard em 2014, abrangendo Brasil, Chile e México.

O scorecard SPIVA® da América Latina - Primeiro semestre 2020 mostra que a maioria dos gestores ativos no Chile e no México perderam para o seu benchmark nos períodos de um, três, cinco e dez anos, ainda que a primeira metade de 2020 tenha oferecido abundantes oportunidades para a gestão ativa. A dispersão e volatilidade dos componentes do S&P Latin America BMI permaneceu acima da mediana histórica em quatro dos seis meses.

No entanto, os gestores ativos das categorias Renda variável do Brasil, Fundos large cap do Brasil e Títulos de dívida corporativa do Brasil lograram tirar vantagem das circunstâncias no curto prazo. Já observamos este desempenho superior dos gestores ativos no curto prazo no passado.

Uma compilação de scorecards SPIVA da América Latina desde o fechamento de 2014 até o primeiro semestre de 2020 mostra que quando observamos os períodos de um ano, os gestores ativos do Chile ganharam do seu benchmark em dezembro de 2014; os do Brasil o fizeram em uma ou mais categorias em junho de 2015, dezembro de 2015 e junho de 2016; e a maioria dos gestores ativos de renda variável no México conseguiu ultrapassar o seu benchmark em dezembro de 2019

pdf-icon PD F Baixar artigo completo

Medindo a inovação: Percepções essenciais numa era de perturbação da economia global

Contributor Image
John van Moyland

Managing Director, Global Head of S&P Kensho Indices

O risco de inovação é classificado como uma das ameaças existenciais mais significativas que as empresas devem enfrentar atualmente. A Quarta Revolução Industrial e a consequente perturbação generalizada da economia global, amplificou significativamente uma tendência já estabelecida: a aceleração da mudança e a vida útil cada vez menor das empresas, ou o que o economista Joseph Schumpeter descreveu apropriadamente como “destruição criativa”. De acordo com a Innosight, a duração média de uma empresa no S&P 500® está prevista para apenas 12 anos em 2027, contra 24 anos em 2016; muitas empresas simplesmente não conseguem, ou não desejam, se adaptar com rapidez suficiente para ficar na vanguarda.

Dado este cenário de inovação e perturbação exponencial, que os participantes do mercado adotem uma estrutura quantificável com a qual possam entender e medir a inovação se tornou mais essencial do que nunca, não apenas em termos de identificar os produtos e serviços da próxima geração e as empresas que os produzem (para este fim, confira os índices S&P Kensho New Economies), mas também para avaliar a propensão de uma empresa para a inovação. Isto pode ser considerado desde três perspectivas:
1. Como a missão e a cultura de uma empresa são “orientadas para a inovação”;
2. Quantos recursos a empresa está alocando à inovação; e,
3. Como a empresa é bem-sucedida na execução da sua estratégia de inovação.

Utilizando uma estrutura própria baseada em regras, desenvolvemos fatores de inovação que quantificam cada um desses elementos e fornecem aos participantes do mercado uma ferramenta única e crítica para navegar no cenário corporativo e tecnológico em rápida mudança.

O S&P Kensho Moonshots Index é o primeiro em uma série de índices que aproveita estes novos fatores de inovação. Este índice procura capturar as empresas mais inovadoras que ainda estão numa fase relativamente inicial de sua gestação. Está composto pelas 50 empresas cotadas nos EUA com a maior Pontuação de Inovação em Fase Inicial que fornecem produtos e serviços de nova geração. A Pontuação de Inovação em Fase Inicial é o produto dos fatores de inovação  listados acima e fornece uma medição quantitativa do compromisso de uma empresa com a inovação, apesar de que ela pode estar no início de seu ciclo de vida e ainda no processo de desenvolvimento do seu portfólio de produtos. As empresas de grande porte também são excluídas, a fim de mostrar o foco em inovadores emergentes.

pdf-icon PD F Baixar artigo completo

Processando ...