NESTA LISTA

Apesar da retomada de março, a maioria dos mercados de valores da América Latina recuaram no primeiro trimestre de 2021

Índices de Renda Variável da América Latina: Análise Quantitativa Primeiro Trimestre de 2021

SPIVA da América Latina - Fechamento de 2020: Os gestores ativos perderam uma chance

Oportunidade Não Significa Sucesso

Reguladores e investidores procuram converter ESG em tendência principal na América Latina

Apesar da retomada de março, a maioria dos mercados de valores da América Latina recuaram no primeiro trimestre de 2021

Contributor Image
Silvia Kitchener

Director, Global Equity Indices, Latin America

Este artigo foi publicado originalmente no blog de Indexology® em 20 de abril de 2021.

O primeiro trimestre foi difícil para os mercados de valores na região, pois o fortalecimento do dólar americano e o impacto contínuo da pandemia da COVID-19 afetaram o desempenho. Apesar de um ganho de 3,1% em março, o S&P Latin America BMI caiu 5,8% em dólares no primeiro trimestre, enquanto o S&P 500® subiu 6,2%. No nível dos países, os resultados foram variados. O México e o Chile encerraram o trimestre em território positivo, enquanto o Brasil, a Argentina e a Colômbia recuaram. O Peru praticamente não teve variações.

A taxa de câmbio tem um papel importante no desempenho dos índices regionais. Dada a fortaleza do dólar americano, os retornos medidos em moeda local foram muito melhores. No primeiro trimestre, o S&P Brazil BMI perdeu 10,2% em dólares (USD), mas somente 3,1% em reais brasileiros (BRL). Igualmente, o S&P Colombia BMI recuou 15,7% em dólares, mas somente 9,5% em pesos colombianos (COP). O Peru teve resultados variados: o S&P/BVL Peru General Index teve um retorno quase sem variações (-0,7%) em novos sóis peruanos (PEN), mas um retorno positivo em dólares (2,6%). Os mercados de valores no Chile e no México tiveram uma forte performance no primeiro trimestre, gerando retornos ligeiramente mais elevados nas suas respectivas moedas locais do que em dólares. A Argentina foi o único mercado da região em que os retornos em moeda local (ARS) e dólares foram negativos. Portanto, os retornos acumulados em moeda local no primeiro trimestre para o S&P Latin America BMI (que exclui a Argentina) quase não tiveram variações (- 0,09%).

Revisemos algumas das tendências mais interessantes (em moeda local) ocorridas em cada mercado. Na Argentina, apesar de um primeiro trimestre difícil, o emblemático S&P MERVAL Index teve resultados fortes nos períodos de um, três e cinco anos com retornos anualizados de 96,8%, 15,5% e 29,9%, respectivamente. Cabe mencionar que a volatilidade de mercado foi a mais alta nesta região.

O primeiro trimestre de 2021 trouxe retornos negativos para a maioria dos índices de renda variável no Brasil, com exceção do Índice S&P/B3 SmallCap Select (3,0%) e o Índice S&P/B3 Baixa Volatilidade (1,0%). Excepcional foi a performance em longo prazo do Índice S&P/B3 Beta Elevado, que ganhou 105,9%, 25,9% e 39,6% nos períodos de um, três e cinco anos, respectivamente. O S&P/B3 Ingenius Index, composto por empresas tecnológicas internacionais cotadas na Bolsa de Nova York ou na NASDAQ, e na B3 como BDRs, continuou apresentado bons resultados apesar de diferenças nas divisas (11,0% em reais brasileiros).

pdf-icon PD F Baixar artigo completo

Índices de Renda Variável da América Latina: Análise Quantitativa Primeiro Trimestre de 2021

O primeiro trimestre foi difícil para os mercados de valores na região, pois o fortalecimento do dólar americano e o impacto contínuo da pandemia da COVID-19 afetaram o desempenho. Apesar de um ganho de 3,1% em março, o S&P Latin America BMI caiu 5,8% em dólares no primeiro trimestre, enquanto o S&P 500® subiu 6,2%. No nível dos países, os resultados foram variados. O México e o Chile encerraram o trimestre em território positivo, enquanto o Brasil, a Argentina e a Colômbia recuaram. O Peru praticamente não teve variações.

A taxa de câmbio tem um papel importante no desempenho dos índices regionais. Dada a fortaleza do dólar americano, os retornos medidos em moeda local foram muito melhores. No primeiro trimestre, o S&P Brazil BMI perdeu 10,2% em dólares (USD), mas somente 3,1% em reais brasileiros (BRL). Igualmente, o S&P Colombia BMI recuou 15,7% em dólares, mas somente 9,5% em pesos colombianos (COP). O Peru teve resultados variados: o S&P/BVL Peru General Index teve um retorno quase sem variações (-0,7%) em novos sóis peruanos (PEN), mas um retorno positivo em dólares (2,6%). O mercados de valores no Chile e no México tiveram uma forte performance no primeiro trimestre, gerando retornos ligeiramente mais elevados nas suas respectivas moedas locais do que em dólares. A Argentina foi o único mercado da região em que os retornos em moeda local (ARS) e dólares foram negativos. Portanto, os retornos acumulados em moeda local no primeiro trimestre para o S&P Latin America BMI (que exclui a Argentina) quase não tiveram variações (-0,09%).

Revisemos algumas das tendências mais interessantes (em moeda local) ocorridas em cada mercado. Na Argentina, apesar de um primeiro trimestre difícil, o emblemâtico S&P MERVAL Index teve resultados fortes nos períodos de um, três e cinco anos com retornos anualizados de 96,8%, 15,5% e 29,9%, respectivamente. Cabe mencionar que a volatilidade de mercado foi a mais alta nesta região.

O primeiro trimestre de 2021 trouxe retornos negativos para a maioria dos índices de renda variável no Brasil, com exceção do Índice S&P/B3 SmallCap Select (3,0%) e o Índice S&P/B3 Baixa Volatilidade (1,0%). Excepcional foi a performance em longo prazo do Índice S&P/B3 Beta Elevado, que ganhou 105,9%, 25,9% e 39,6% nos períodos de um, três e cinco anos, respectivamente. O S&P/B3 Ingenius Index, composto por empresas tecnológicas internacionais cotadas na Bolsa de Nova York ou na NASDAQ, e na B3 como BDRs, continuou apresentado bom resultados apesar de diferenças nas divisas (11,0% em reais brasileiros).

O mercado chileno finalmente se recuperou, gerando um forte desempenho no curto prazo com uma alta de 17,3% do S&P IPSA no primeiro trimestre. Os setores de Construção e Imóveis, junto com Serviços Financeiros, foram as indústrias com melhor desempenho no Chile.

A Colômbia teve o pior desempenho da região no primeiro trimestre e importantes empresas como BanColombia SA e Grupo de Inversiones Suramericana SA perderam uma significativa valorização do seu preço ao comparar os preços das ações de 31 de dezembro de 2020 com os de final de março de 2021. No período de doze meses, contudo, o S&P Colombia Select Index manteve um ganho de 24,2%.

Os índices acionários do México exibiram uma forte performance em períodos de curto e longo prazo. O S&P/BMV IPC, índice emblemâtico do México, subiu 7,2% no primeiro trimestre. Dois índices que aproveitaram a recente recuperação e tiveram os melhores retornos no primeiro trimestre foram o S&P/BMV IPC 2X Leverage Daily Index, que procura refletir 200% do retorno (positivo ou negativo) do S&P/BMV IPC e subiu 14,2% no trimestre; e o S&P/BMV IRT SmallCap, que mede o desempenho de catorze ações de baixa capitalização e gerou 9,9% no primeiro trimestre.

Outro índice que teve bons resultados foi o S&P/BMV Total Mexico ESG Index (6,9% no primeiro trimestre). O índice serve como um benchmark de base ampla que considera filtros de sustentabilidade nos processos de seleção e ponderação dos seus componentes.

O mercado peruano de valores gerou retornos aceitáveis no primeiro trimestre, o que ajudou a sustentar fortes retornos em períodos mais longos; entretanto, o fortalecimento do dólar americano gerou retornos mistos. O S&P/BVL Peru Select 20% Capped Index, que se manteve relativamente sem variações durante o período (0,4% em novos sóis peruanos e -2,9% em dólares), subiu 58,8% em novos sóis e 45,6% em dólares no período de um ano encerrado em março de 2021. O S&P/BVL Peru SmallCap Index foi o índice local com melhores retornos no primeiro trimestre (19,4% em novos sóis e 15,4% em dólares).

Já se passou mais de um ano desde o início da pandemia da COVID-19. Em seu caminho, a pobreza e a desigualdade têm aumentado na maioria dos países. Além disso, as altas taxas de desemprego1 e as próximas eleições presidenciais em países como Chile, Equador e Peru, bem como as eleições legislativas na Argentina e no México podem gerar incerteza e volatilidade nos próximos meses. Contudo, os mercados latino-americanos estão se mostrando resistentes, apesar dos muitos desafios que enfrentaram.

pdf-icon PD F Baixar artigo completo

SPIVA da América Latina - Fechamento de 2020: Os gestores ativos perderam uma chance

Contributor Image
María Sánchez

Associate Director, Global Research & Design

O recentemente publicado Scorecard SPIVA® da América Latina - Fechamento de 2020 demonstra que o ambiente volátil de 2020, apesar de ter sido potencialmente favorável para os gestores ativos com uma convicção elevada, não se traduziu necessariamente para o sucesso dos gestores ativos.

Os relatórios SPIVA medem o desempenho dos fundos de gestão ativa em comparação com um benchmark apropriado. No caso da América Latina, a S&P Dow Jones Indices começou a publicar o scorecard em 2014, abrangendo Brasil, Chile e México.

No fechamento de 2020, todas as categorias nos três países perderam para os seus benchmarks nos períodos de um, três, cinco e dez anos. Estes resultados foram diferentes aos do Scorecard SPIVA da América Latina - Primeiro semestre de 2020, em que os gestores ativos das categorias Renda variável do Brasil, Fundos large cap do Brasil e Títulos de dívida corporativa do Brasil aproveitaram as circunstâncias e ganharam dos seus benchmarks no período de um ano

pdf-icon PD F Baixar artigo completo

Oportunidade Não Significa Sucesso

Contributor Image
Anu R. Ganti

Senior Director, Index Investment Strategy

Este artigo foi publicado originalmente no blog Indexology® em 30 de março de 2021.

Previamente argumentamos que a maioria dos gestores deveria favorecer uma correlação acima da média, uma vez que a volatilidade acumulada que um gestor aceita a fim de adotar uma estratégia ativa será inferior quando as correlações são elevadas. Adicionalmente, os gestores ativos deveriam favorecer uma dispersão acima da média, uma vez que a habilidade para a seleção de ações tem mais valor quando a dispersão é elevada. Tanto a correlação quanto a dispersão aumentaram em 2020. Apesar destas condições relativamente promissoras, a maioria dos gestores ativos não conseguiu ganhar do seu benchmark. Por quê?

A metade superior do quadro 1 ilustra quanto o retorno acumulado requerido para os gestores ativos de fundos large cap caiu em 2020, à medida que as correlações aumentaram. A fim de entender quão difícil é obter o retorno acumulado, podemos dividir o retorno acumulado requerido pela dispersão, como se mostra na metade inferior da figura 1. A queda do retorno acumulado requerido sob à sua média de longo prazo sugere que as condições em 2020 foram mais favoráveis (ou menos desfavoráveis) do que o normal para os gestores ativos.

pdf-icon PD F Baixar artigo completo

Reguladores e investidores procuram converter ESG em tendência principal na América Latina

Contributor Image
Silvia Kitchener

Director, Global Equity Indices, Latin America

Embora muitos investidores estejam interessados no investimento ESG na América Latina, a demanda por essas estratégias pode ser impulsionada principalmente pelos administradores de fundos de pensão e reguladores da região. Os administradores de fundos de pensão na América Latina administram bilhões de dólares dos milhões de trabalhadores que economizam para suas aposentadorias. Não surpreende que os reguladores de fundos de pensão reconheçam a importância de implementar normas e políticas ESG para salvaguardar esses investimentos. Vários países estão procurando promulgar regulamentações que exigiriam que os administradores de fundos de pensão incluíssem critérios ESG em suas decisões de investimento.

Atividades regulatórias na região
▪ A CONSAR (Comissão Nacional do Sistema de Economia para a Aposentadoria) do México estabeleceu que a partir de janeiro de 2022, as AFORES (administradores de fundos de pensão) devem implementar algum tipo de critério ESG em suas decisões de investimento. Muitas delas já cumpriram essa regra.
▪ A SBS (Superintendência de Banca, Seguros e AFP) do Peru está em consulta com o mercado local para incluir critérios ESG possivelmente em julho de 2021.
▪ A Superintendência de Pensões do Chile exige que as AFP (administradores de fundos de pensão) acrescentem critérios ESG, bem como considerar questões de risco climático em suas decisões de investimento até maio de 2021.
▪ A Superintendência Financeira da Colômbia (SFC) está avaliando incluir critérios ESG, embora sem uma data definitiva. O grupo de trabalho da SFC publicou recentemente seus dois objetivos principais: promover o financiamento verde e mitigar o risco climático e ESG no sistema de fundos de pensão.
▪ A Superintendência Nacional de Previdência Complementar (PREVIC) está consultando com os fundos de pensão locais sobre quais critérios ESG deveriam fazer parte de suas decisões de investimento.

pdf-icon PD F Baixar artigo completo

Processando ...