NESTA LISTA

Índices da América Latina: 1° trimestre de 2018

Quanto custará a minha aposentadoria? Segunda parte

Quanto custará a minha aposentadoria? Primeira parte

A América Latina deseja a vocês feliz Ano Novo

Índices da América Latina: 1° trimestre de 2018

Contributor Image
Silvia Kitchener

Director, Global Equity Indices, Latin America

O dia 30 de março marcou o final do primeiro trimestre de 2018 e, até agora, os índices regionais da América Latina mostram uma performance sólida. O S&P Latin America BMI, que procura medir o desempenho de 287 empresas no Brasil, Chile, Colômbia, México e Peru, gerou um rendimento de 7,4% no período. Ainda mais impressionante foi o caso do S&P Latin America 40 (que procura representar as 40 ações de maior tamanho e liquidez da região), pois teve um rendimento de aproximadamente 10% no trimestre, em comparação com os índices S&P 500 e S&P Europe 350, que tiveram retornos negativos de 0,8% e 2,1%, respectivamente.

Então, quais foram os motivos deste bom desempenho? Ao analisar cada país, podemos ver claramente que o Brasil foi o que mais contribuiu para o desempenho geral da região. De acordo com um relatório do JP Morgan , a diminuição considerável das taxas de juros no Brasil poderia estimular o investimento e o consumo nesse país. Além disso, entre os mercados emergentes, o Brasil é considerado como o país com a maior capacidade para gerar ganhos. E continua: “a alavancagem operacional está em andamento e o benefício total da diminuição das taxas de juros (de 6,75% para 6,5%) vai começar a se materializar só a partir de agora. O real brasileiro (BRL) é visto como estável, especialmente considerando a forte posição externa e os altos preços das commodities”. O relatório também indica que “o dinheiro está fluindo para os mercados emergentes e o Brasil é um grande beneficiário disso”. A respeito das próximas eleições: “na atualidade, o consenso entre os investidores sobre as eleições presidenciais de outubro é que, sem importar o vencedor, será necessário implementar reformas”. O mercado geral, representado pelo S&P Brazil BMI, teve um bom trimestre e apresentou um rendimento de 11,5% em dólares (USD). Empresas como Petrobras e Banco do Brasil, entre outros gigantes brasileiros, tiveram resultados impressionantes durante os três primeiros meses do ano. De fato, oito das dez melhores empresas do S&P Latin America 40 em termos de desempenho foram brasileiras. O México, que é o segundo maior mercado da região, não teve resultados tão positivos. No meio de um ambiente de incerteza em torno do Nafta (acordo de livre comércio entre México, EUA e Canadá) e das eleições presidenciais deste ano, o S&P/BMV IPC, que é o índice emblemático do México, teve um rendimento negativo de aproximadamente 7% durante o trimestre.

A Argentina e o Peru estiveram entre os outros países com bom desempenho na região. Apesar das recentes preocupações com o aumento da inflação na Argentina, haverá grandes expectativas para este país caso seja classificado como mercado emergente, situação que melhoraria o nível de investimento no país. No final do trimestre, o S&P Argentina BMI teve um rendimento de 6,4% em pesos argentinos (ARS), com retornos entre 50% e 56% para os períodos de três e cinco anos. Apesar da recente demissão do seu presidente, o Peru, que é o menor mercado da região, manteve uma tendência em alta no primeiro trimestre do ano. O S&P/BVL Peru Select Index, que procura representar 18 das ações peruanas mais investíveis, apresentou um retorno de 4,7% em moeda local (PEN) durante o período.

pdf-icon PD F Baixar artigo completo

Quanto custará a minha aposentadoria? Segunda parte

Entender os gastos ou consumo futuros que a poupança de um investidor poderá financiar é fundamental na hora de planejar a aposentadoria. Conforme discutido na primeira parte, a série de índices S&P STRIDE pode ajudar a estimar o fluxo de renda anual disponível para a aposentadoria utilizando o conceito de “passivo generalizado de renda para a aposentadoria” ou “GRIL” (confira a primeira parte para mais detalhes). Outro fator importante no planejamento da aposentadoria é escolher a solução de investimento apropriada.

Uma solução de investimento que incorpore o objetivo de renda para a aposentadoria deveria estar focada em reduzir a volatilidade da relação entre o saldo da conta e o custo da renda, diminuindo deste modo a incerteza no cálculo da renda. Do ponto de vista das estratégias de investimento, isso implica criar uma solução que acompanhe os custos de renda a fim do saldo da conta se mover juntamente com eles. Este tipo de estratégia é conhecido como investimento orientado por metas e passivos ou “LDI” e tem sido utilizado há bastante tempo em planos de benefício definido para alinhar ativos com passivos.

Como já foi explicado na primeira parte, os dois riscos principais que afetam o saldo da conta e o custo da renda são as taxas de juros e a inflação. A série de índices S&P STRIDE aponta para datas de aposentadoria a partir de 2005 (aposentados atuais) até 2060, de cinco em cinco anos. Cada índice inclui um componente LDI: títulos de renda fixa protegidos contra a inflação com uma duração média correspondente ao calendário estimado dos fluxos de caixa para datas de aposentadoria específicas. Esta abordagem fornece uma gestão mais abrangente dos riscos que aumentam a incerteza a respeito da renda futura.

pdf-icon PD F Baixar artigo completo

Quanto custará a minha aposentadoria? Primeira parte

Saber com certeza os gastos ou consumo futuros que a poupança de um investidor poderá financiar é fundamental na hora de planejar a aposentadoria. Estar preparado e informado para a aposentadoria pode melhorar as escolhas de investimentos, bem como as decisões a respeito do nível de poupança necessário e o orçamento de gastos uma vez aposentado. O primeiro passo para resolver estas dificuldades é entender quanto custa gerar a renda desejada para a aposentadoria.

Uma forma de visualizar a renda da aposentadoria é como uma série de fluxos de caixa que financiam o consumo de uma pessoa aposentada (“os passivos de renda da aposentadoria”). O objetivo dos investidores é financiar estes fluxos por meio de poupanças atuais e futuras. Cada um desses fluxos de caixa tem um preço conhecido a partir da curva de rendimento atual das obrigações. Por exemplo, a taxa de juros de um título do Tesouro dos EUA de cupom zero com vencimento a 10 anos pode ser utilizada para inferir o valor presente de um fluxo de caixa em 10 anos a partir de agora.

Esta abordagem sugere dois riscos principais que aumentam a incerteza sobre o grau em que as poupanças atuais podem suportar os passivos da aposentadoria. O primeiro, os custos dos passivos podem mudar, considerando que o valor presente dos fluxos de caixa futuros depende das taxas de juros. Por exemplo, se as taxas de juros subissem, os custos dos passivos diminuiriam e vice-versa. Além disso, o consumo durante a aposentadoria provavelmente será em bens e serviços cujo valor aumenta junto com a inflação. Uma inflação mais elevada significa que o dinheiro economizado hoje não têm o mesmo poder de compra no futuro.

A S&P Shift To Retirement Income and Decumulation (STRIDE) Index Series, pode ajudar a reduzir a incerteza. A série de índices STRIDE estabelece um objetivo de US$ 1 de renda ajustada pela inflação durante 25 anos, também conhecido como o passivo generalizado de renda para a aposentadoria ou “GRIL”, pela sigla em inglês. Esta definição assume uma expectativa de vida de 20 anos a partir da idade de 65 anos, mais uma extensão de cinco anos que leva em conta a incerteza sobre a expectativa de vida. Mediante taxas de juros reais obtidas dos títulos de proteção contra a inflação do Tesouro disponíveis (conhecidos como TIPS, pela sigla em inglês), a S&P DJI desconta cada US$ 1 futuro e os adiciona para calcular o valor presente do GRIL

pdf-icon PD F Baixar artigo completo

A América Latina deseja a vocês feliz Ano Novo

Contributor Image
Jaime Merino

Director, Asset Owners Channel

Depois que Donald Trump se tornou o 45º presidente dos EUA, o Dow® atingiu a marca dos 20.000 pontos pela primeira vez, houve um eclipse solar total, além de enormes furacões, enchentes na Colômbia, terremotos no México e um referendo de independência na Catalunha; o New England Patriots conseguiu uma virada histórica no Super Bowl LI, o Houston Astros venceu a Série Mundial pela primeira vez e o filme Star Wars: Os Últimos Jedi estreou nos cinemas. Enquanto isso, podemos analisar o comportamento da inflação, da taxa de referência e das moedas do Brasil, Chile, Colômbia, México e Peru durante o ano passado e como foi o desempenho dos índices de dívida soberana desses países.

Em primeiro lugar, analisaremos a taxa referencial de juros dos respectivos bancos centrais de cada país. Os grandes vencedores de 2017, em termos do número de variações no ano passado, foram o Brasil e a Colômbia, que mudaram sua taxa de referência oito vezes. O Brasil apresentou uma redução de 600 pontosbase, de 13,75% para 7%, e a Colômbia, uma diminuição de 7,5% para 4,75%. O México foi o único país (dos analisados) cuja taxa teve uma variação positiva (YoY), com cinco mudanças que levaram a um aumento de 150 pontos-base, fechando o ano em 7,25%. O Chile e o Peru tiveram uma variação de -75 e -100 pontosbase, respectivamente.  mostra as taxas de referência ao longo do ano passado.

pdf-icon PD F Baixar artigo completo

Processando ...