NESTA LISTA

ETFs nos Investimentos das Companhias de Seguros - 2021

A simplicidade também é bela no Brasil: O Índice S&P/B3 Baixa Volatilidade–Altos Dividendos

Uma olhada aos títulos verdes: Combinando sustentabilidade com renda fixa core

ETFs nos Investimentos das Companhias de Seguros - 2020

O dilema da gestão ativa

ETFs nos Investimentos das Companhias de Seguros - 2021

Contributor Image
Raghu Ramachandran

Head of Insurance Asset Channel

INTRODUÇÃO

Após um início caótico do ano, as seguradoras americanas adicionaram US$ 4 bilhões aos fundos negociados em bolsa (ETFs) em suas carteiras de investimento em 2020. No final de 2020, as seguradoras americanas aumentaram seus ativos sob administração (AUM) em ETFs em 18% em relação a 2019. As seguradoras de vida, em particular, voltaram ao mercado e compraram grandes quantidades de ETFs. Apesar (ou por causa) da volatilidade no mercado de títulos, as companhias de seguros apresentaram fortes fluxos para ETFs de renda fixa, adicionando US$ 5 bilhões em 2020.

Em nosso sexto estudo anual sobre o uso de ETFs nos investimentos das seguradoras americanas, pela primeira vez analisamos a negociação de ETFs pelas seguradoras (ver página 37), além da análise dos investimentos. Em 2020, as companhias de seguros negociaram US$ 63 bilhões em ETFs, o que representa um crescimento de 10% sobre o volume das negociações de 2019. Em média, as seguradoras negociaram o dobro de ETFs durante o ano do que no início do ano. Certas categorias têm taxas de negociação consideravelmente mais elevadas. Também observamos questões interessantes sobre o tamanho das operações das seguradoras.

ANÁLISE DOS INVESTIMENTOS

Resumo

No final de 2020, as seguradoras americanas tinham US$ 36,9 bilhões investidos em ETFs. Esta cifra representa apenas uma pequena fração dos US$ 5,5 trilhões de AUM em ETFs e uma parcela ainda menor dos US$ 7,2 trilhões em ativos investidos pelas companhias. O quadro 1 mostra o uso de ETFs por parte das seguradoras americanas durante os últimos 17 anos.

pdf-icon PD F Baixar artigo completo

A simplicidade também é bela no Brasil: O Índice S&P/B3 Baixa Volatilidade–Altos Dividendos

Contributor Image
Gaurav Sinha

Managing Director, Head of Americas Global Research & Design

Contributor Image
María Sánchez

Associate Director, Global Research & Design

Contributor Image
Smita Chirputkar

Director, Global Research & Design

RESUMO

Para investidores que procuram um maior rendimento de dividendos e uma menor volatilidade a fim de obter melhores retornos ajustados pelo risco, a S&P Dow Jones Indices propõe um método de dois passos para realizar a seleção de componentes.1 Neste artigo, discutimos como esta análise poder ser aplicada ao mercado brasileiro de valores usando o Índice S&P/B3 Baixa Volatilidade-Altos Dividendos.

  • O filtro de baixa volatilidade funciona como uma medida para evitar ações de rendimento elevado (high yield) que têm fortes quedas de preço e procura capturar o fator de baixa volatilidade para o Índice S&P/B3 Baixa Volatilidade-Altos Dividendos.
  • O Índice S&P/B3 Baixa Volatilidade-Altos Dividendos forneceu retornos ajustados pelo risco e retornos absolutos superiores aos do seu benchmark, o S&P Brazil BMI, entre 31 de março de 2007 e 31 de março de 2020 (ver quadro 1).
  • O índice ganhou do S&P Brazil BMI em 83% das vezes em períodos de mercado em baixa e 68% em períodos em alta. Contudo, o seu desempenho superior foi mais acentuado em mercados em baixa.
  • Comparado com o seu benchmark, o Índice S&P/B3 Baixa Volatilidade-Altos Dividendos teve historicamente um maior rendimento de dividendos.

1. INTRODUÇÃO

Quase um ano após o lançamento do Índice S&P/B3 Baixa VolatilidadeAltos Dividendos, analisamos a possível vantagem de incorporar um filtro de baixa volatilidade a uma carteira de altos rendimentos de dividendos. Também comparamos o Índice S&P/B3 Baixa Volatilidade-Altos Dividendos com outros índices de dividendos da S&P DJI para o mercado brasileiro em vários aspectos, tais como composição setorial, rendimento de dividendos e retorno histórico, entre outros.

Historicamente, o percentual de empresas que pagam dividendos no Brasil tem flutuado entre 71% e 92%,2 fazendo com que seja um ambiente favorável para a implementação de estratégias focadas em dividendos. No Brasil, a S&P Dow Jones Indices tem três estratégias focadas em dividendos, as que possuem diferentes construções e objetivos:

  • O S&P Dividend Aristocrats Brasil Index procura medir o desempenho de 30 ações do S&P Brazil BMI que consistentemente aumentaram ou mantiveram dividendos estáveis.
  • O S&P Brazil Dividend Opportunities procura medir o desempenho das 40 ações de mais alto rendimento do S&P Brazil BMI que demonstrem rentabilidade.
  • O Índice S&P/B3 Baixa Volatilidade-Altos Dividendos procura medir o desempenho das ações com menor volatilidade dentro de um grupo específico de componentes do S&P Brazil BMI com rendimento elevado dos seus dividendos e que negociam na B3.

pdf-icon PD F Baixar artigo completo

Uma olhada aos títulos verdes: Combinando sustentabilidade com renda fixa core

Contributor Image
Brian D. Luke

Global Head of Fixed Income Indices

Contributor Image
Aye Soe

Managing Director, Global Head of Core and Multi-Asset Product Management

Contributor Image
Kevin Horan

Director, Fixed Income Indices

Nos últimos anos, cada vez mais participantes do mercado têm mostrado interesse no investimento sustentável começando a incorporar elementos dos fatores ambientais, sociais e de governança corporativa (ESG, pela sigla em inglês) nos seus processos de investimento. Muitas justificativas já foram dadas para a inclusão destes fatores.

A primeira é que sob a perspectiva do risco/retorno, as companhias que consideram o investimento de impacto e as práticas ESG associadas às suas atividades comerciais provavelmente estarão na frente dos seus pares. Do ponto de vista ambiental, administrar ativamente uma carteira pode ajudar a diminuir a exposição a empresas que podem enfrentar riscos legais e de reputação, bem como proporcionar proteção contra alterações regulatórias no futuro. Por exemplo, à medida que o mundo muda para uma economia com baixas emissões de carbono, as empresas proativas estarão melhor posicionadas para se adaptar a novas regulações, inovações, ou mudanças no apetite dos clientes.

A segunda justificativa para investir neste tipo de empresa provém dos valores e metas sociais e pessoais. Estes investidores procuram criar carteiras que equilibrem os retornos financeiros com seus objetivos finais.

Não importa o motivo, mas há um amplo leque de opções para os investidores de renda fixa escolherem. Uma abordagem comum é confiar nas métricas de avaliação , ou nas classificações que medem o impacto dos critérios ESG nas operações das empresas, e adicionar a pontuação aos ativos. O maior desafio desta abordagem é que atualmente não existe um padrão de medição claro no mercado.

Pesquisadores do MIT que trabalharam no Projeto de Confusão Agregada (Aggregate Confusion Project) observaram que quando comparam “duas das cinco maiores agências de classificação ESG e calculam a correlação entre empresas em um ano específico, é provável obter uma correlação na ordem de 10-15%. Pelo menos a correlação é positiva! É muito provável (entre 5-10% das companhias) que a empresa no limiar superior (5%) de agências de classificação pertença ao quintil superior de outra”.

Dentro do universo de renda fixa, os títulos verdes (Green Bonds) poderiam solucionar este problema e fornecer uma oportunidade para os participantes do mercado adicionarem um elemento de investimento de impacto na sua exposição central de forma simples. Além do mais, quando comparados com outros indicadores ambientais disponíveis, os títulos verdes são possivelmente a medição mais prospectiva.

pdf-icon PD F Baixar artigo completo

ETFs nos Investimentos das Companhias de Seguros - 2020

Contributor Image
Raghu Ramachandran

Head of Insurance Asset Channel

INTRODUÇÃO

No nosso primeiro relatório em 2015, utilizamos tendências históricas para projetar que, em cinco anos, as seguradoras duplicariam o seu uso de ETFs. Hoje, cinco anos depois, o uso de ETFs nos investimentos das companhias de seguros é, de fato, o dobro comparado com 2015. No período de um ano encerrado em 31 de dezembro de 2019, as seguradoras aumentaram 16% os ativos sob administração (AUM) em ETFs até atingir US$ 31,2 bilhões. As companhias incrementaram o uso de ETFs de renda variável e renda fixa. Embora o uso geral de ETFs tenha subido, algumas partes da indústria que tinham sido ativas no uso destes instrumentos se afastaram. Mesmo que o uso de ETFs de renda fixa tenha crescido, o uso da valorização sistemática (VS) caiu.

RESUMO

No final de 2019, as seguradoras americanas tinham US$ 31,2 bilhões investidos em ETFs. Esta cifra representa uma pequena fração dos US$ 4,4 trilhões de AUM em ETFs e uma porção ainda menor dos US$ 6,7 trilhões em ativos líquidos destas companhias. O quadro mostra o uso de ETFs por parte das seguradoras americanas durante os últimos 16 anos.

pdf-icon PD F Baixar artigo completo

O dilema da gestão ativa

Contributor Image
Craig Lazzara

Managing Director, Global Head of Index Investment Strategy

Contributor Image
Anu R. Ganti

Senior Director, Index Investment Strategy

Contributor Image
Fei Mei Chan

Director, Index Investment Strategy

Contributor Image
Tim Edwards

Managing Director, Index Investment Strategy

RESUMO

Geralmente, a volatilidade do mercado inferior à média é associada a retornos acima da média. Assim, se os investidores tivessem que escolher entre alta e baixa volatilidade, a maioria deles preferiria esta última.
• No entanto, para os gestores ativos esta escolha é menos óbvia: uma menor volatilidade do mercado é associada a uma menor correlação e dispersão, ambas variáveis que fazem mais difícil justificar a gestão ativa.
• As carteiras ativas pelo geral são mais voláteis do que os seus benchmarks (quanto mais voláteis dependerá em parte das correlações). Os gestores ativos pagam um custo implícito pela concentração, que aumenta quando as correlações diminuem.
• Uma baixa dispersão faz com que seja mais difícil para os gestores ativos agregar valor e reduz o retorno acumulado para aqueles que o conseguem.
• Estas perspectivas salientam o conflito entre os objetivos de geração de retornos absolutos e relativos.

UMA PERGUNTA SIMPLES

Um gestor ativo deveria preferir negociar em ambientes de maior ou menor volatilidade? Quais fatores deveriam ser levados em conta nessa decisão?

À primeira vista, a escolha parece bastante simples. O quadro lembra que volatilidade e retornos estão inversamente relacionados. Uma maior volatilidade geralmente castiga os resultados e vice-versa.

O quadro permite observar isto mais diretamente. Neste caso, dividimos os meses da nossa base de dados pela volatilidade mensal e analisamos os retornos em cada conjunto de meses.

Estas cifras fazem com que a eleição dos gestores ativos pareça óbvia: se a volatilidade é elevada, os retornos tendem a ser negativos e se a volatilidade é baixa, a média dos retornos é essencialmente positiva. Os retornos positivos indicam que os clientes dos gestores estão ganhando dinheiro, o que eles geralmente agradecem, e que as taxas de administração (se baseadas em ativos) também estão crescendo. Atrair novos ativos é mais fácil durante períodos de alta do mercado, enquanto que “durante períodos de mercados em baixa, os investidores não recompensam o desempenho superior com maiores fluxos de caixa

Uma menor volatilidade indica que gestores e clientes têm retornos mais estáveis e menos surpresas. Sem dúvida, um gestor deveria procurar uma baixa volatilidade, tanto pelo seu próprio bem quanto pela relação desta com maiores retornos. O que pode correr mal?

pdf-icon PD F Baixar artigo completo

Processando ...