trending Market Intelligence /marketintelligence/en/news-insights/trending/MSwQ_CohnqjLjHhCn_xCcQ2 content esgSubNav
Log in to other products

 /


Looking for more?

Contact Us
In This List

Agitação política na Venezuela e no Paraguai; Banco do Bajío retoma plano de IPO

BLOG

Banking Essentials Newsletter: June Edition

Case Study

กรณีศึกษา A Bank Takes its Project Finance Assessments to a New Level

Blog

Fintech Intelligence Digital Newsletter: May 2021

Blog

Financial Institutions Factor Transition Risk into Climate-Related Stress Testing


Agitação política na Venezuela e no Paraguai; Banco do Bajío retoma plano de IPO

* Depois dos protestos internacionais e das alegações de que a medida equivaleria a um golpe, o Supremo Tribunal da Venezuela reverteu partes da recente decisão de retirar os poderes da legislatura do país. A oposição pediu novamente ao presidente Nicolás Maduro que realize novas eleições, informou o Financial Times. "Simplesmente, não se pode fingir normalizar a nação depois de aplicar um golpe", teria dito Julio Borges, líder da legislatura.

* Em 31 de março, manifestantes incendiaram o Congresso do Paraguai depois que a maioria dos senadores votou a favor de um projeto polêmico que permitiria ao presidente Horacio Cartes concorrer à reeleição após o término de seu mandato em 2018. O ministro do Interior, Tadeo Rojas, foi demitido depois de que um manifestante foi morto por uma bala de borracha disparada pela polícia, informou a Reuters. O ministro da Fazenda Santiago Peña disse que o conflito "atípico" não preocuparia os investidores e que seria improvável algum impacto econômico no longo prazo, informou a Bloomberg News.

* O Banco del Bajío S.A., sediado no México, está novamente cogitando lançar uma oferta pública inicial na bolsa de valores local na tentativa de reavivar planos que foram originalmente traçados em 2014, informou a Bloomberg News, citando "pessoas familiarizadas com o assunto". A oferta pode ocorrer já em maio e gerar entre 250 milhões e 300 milhões de dólares.

MÉXICO E AMÉRICA CENTRAL

* Falhas estruturais continuarão a prejudicar as avaliações da economia e do crédito da Guatemala no médio prazo, uma vez que as reformas necessárias que elevariam o potencial de crescimento não deverão ser aprovadas no curto prazo, segundo a Fitch Ratings. A agência de classificação de risco prevê que a economia da Guatemala crescerá 3,4%, em 2017, e 3,7%, em 2018, impulsionada pelo aumento da confiança nos investimentos após a crise política de 2015.

* O Grupo Financiero Santander Mexico SAB de CV e a unidade Banco Santander (México) SA Institución de Banca Múltiple anunciaram que Pedro José Moreno Cantalejo renunciou ao cargo de vice-presidente de finanças e administração no dia 31 de março. Moreno será substituído por vários executivos experientes que se reportarão ao presidente executivo e CEO Héctor Grisi Checa.

* Os financiamentos concedidos por bancos comerciais ao setor privado do México aumentaram 7,0% em fevereiro, em comparação com o mesmo mês do ano passado, informou o El Economista, citando dados do banco central do país.

* O Grupo Financiero Banorte S.A.B. de C.V. anunciou que concluiu a venda da unidade Inter National Bank, sediada no Texas, para um grupo de investidores nos Estados Unidos, informou o El Economista. O Banorte não especificou os nomes dos compradores nem o valor da transação.

* O Grupo Financiero Ve por Más SA de C.V., do México, está analisando um plano que visa a fazer circular 30% de suas ações na bolsa de valores local em 2019, se as condições de mercado estiverem propícias, informou o El Economista, citando o diretor-geral Tomás Ehrenberg.

* Rodrigo Jarque Lira, vice-diretor de finanças do estatal Banco Nacional de Obras y Servicios Públicos S.N.C, do México, pediu ao setor privado para aumentar os investimentos em projetos de infraestrutura, ressaltando que o banco quase dobrou sua carteira de empréstimos para infraestrutura entre 2012 e 2016, informou o El Economista.

* O governo mexicano espera que a economia local cresça entre 1,3% e 2,3%, em 2017, e acelere para a faixa de 2,0% a 3,0% em 2018, informou o El Economista, citando o Ministério da Fazenda e Crédito Público.

CARIBE

* A Atlas Mara Ltd. registrou lucro líquido atribuível em 2016 de 8,4 milhões de dólares, uma queda em relação aos 11,3 milhões de dólares do ano anterior. A empresa registrou perda de 15,4 milhões de dólares em empréstimos em 2016, em comparação com um perda de 12,0 milhões de dólares registrada no ano anterior, em grande parte devido à menor recuperação.

BRASIL

* O Ministério da Fazenda do Brasil informou estar definindo uma nova taxa de juros a ser implantada a partir de 1º de janeiro de 2018, a fim de obter estabilidade macroeconômica, reduzir subsídios e aumentar a eficácia da política monetária do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. A taxa de juros, denominada TLP, será alinhada com os títulos indexados à inflação do Tesouro Nacional e será calculada mensalmente, em vez de trimestralmente.

* O presidente brasileiro Michel Temer assinou um projeto polêmico que permite às empresas locais terceirizar empregos, informou a Reuters. O projeto de lei, aprovado recentemente pelo Congresso, atraiu forte oposição dos sindicatos.

* O Conselho Monetário Nacional (CMN) do Brasil elevou em 4 bilhões de reais o limite para empréstimos não garantidos concedidos a estados e municípios que tenham bom histórico de pagamento, informou a Folha de S. Paulo. A decisão significa que as instituições financeiras podem emprestar o montante adicional sem solicitar autorização prévia do CMN.

* O governo do Brasil publicou um decreto que eleva de 0,38% para até 3,38% o IOF (imposto sobre operações financeiras) sobre operações efetuadas por cooperativas de crédito, informou o Valor Econômico. Pelo decreto, o percentual do IOF cobrado das cooperativas de crédito passa a ser igual ao que é cobrado dos bancos.

* O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social disse não esperar que a recente decisão do governo brasileiro de estabelecer uma nova taxa de juros de longo prazo, chamada TLP, afete o ritmo de empréstimos contraídos junto ao banco de desenvolvimento, informou a Reuters.

* Pela primeira vez em uma década, o mercado de capitais brasileiro superou o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social em termos de volume de financiamentos empresariais em 2016, informou o Valor Econômico.

REGIÃO ANDINA

* O ex-vice-presidente do Equador, Lenin Moreno, reivindicou vitória na eleição presidencial do país em 2 de abril, embora o candidato rival conservador e ex-banqueiro Guillermo Lasso tenha exigido a recontagem dos votos, informou a Reuters. O conselho eleitoral do Equador não declarou nenhum vencedor, mas afirmou que Moreno já havia obtido 51,1% dos votos, contra 48,9% de Lasso, após a apuração de mais de 96% dos votos.

* Os deslizamentos de terra e as enchentes que ocorreram na Colômbia no dia 1º de abril mataram 254 pessoas, feriram centenas e resultaram em grandes danos às localidades, informou a Reuters. Segundo o presidente Juan Manuel Santos, as mudanças climáticas são responsáveis pela catástrofe.

* O ministro dos Transportes do Peru, Martin Vizcarra, disse que o país precisa de mais ajuda internacional para as centenas de milhares de pessoas que foram afetadas pelas enchentes e pelos deslizamentos de terra que mataram mais de 100 pessoas e destruíram grande parte da infraestrutura do país, informou a Reuters.

* Segundo a Credicorp Ltd., a unidade peruana de seguros El Pacífico Peruano Suiza Compañía de Seguros y Reaseguros S.A. pode sofrer prejuízos de 4 milhões a 6 milhões de dólares devido às intensas inundações relacionadas ao fenômeno climático El Niño, informou o El Comercio.

* A Crecer Seguros SA, do Peru, que iniciou operações no final de 2015 para vender produtos de seguros por meio do afiliado Grupo Pichincha, do Equador, está em processo de diversificação dos canais de vendas e espera aumentar as receitas para pelo menos 80 milhões de soles peruanos até 2020, informou o SEMANAeconómica, citando o CEO Marcel Fort.

CONE SUL

* A corretora argentina Puente Hnos SA está cogitando oferecer ações de sua holding britânica em Buenos Aires antes do encerramento de 2017 e avalia também a possibilidade de uma oferta pública inicial em Nova York ou Londres, informou a Bloomberg News, citando Federico Tomasevich, presidente mundial da Puente.

* A ABPU, associação de bancos privados do Uruguai, alertou que um projeto de lei que visa a regulamentar as comissões sobre cartões de crédito e que está sendo avaliado pelo parlamento pode violar a Constituição, já que qualquer legislação relacionada a isenções de impostos, salários mínimos ou preço de compra de produtos e bens deve obrigatoriamente provir do poder executivo, informou o El Observador.

* A Sociedad Anónima Importadora y Exportadora de la Patagonia aceitou uma oferta para comprar a participação total que o Banco de Galicia y Buenos Aires SA detém sobre a Tarjetas del Mar SA, o que equivale a 58,8% do total de ações da Tarjetas del Mar. A Compañía Financiera Argentina SA também fez uma oferta para vender para o engenheiro Federico Braun a totalidade da sua participação na Tarjetas del Mar, o que representa 1,2% do total de ações da empresa. O preço total atingiu 5 milhões de dólares.

* O Banco Santander Río S.A. informou ter concluído a aquisição dos ativos e passivos das operações bancárias de varejo do Citibank Argentina. O negócio envolve ativos que totalizam 1,4 bilhão de dólares, de acordo com uma declaração feita anteriormente anunciando o acordo, cujo valor não foi divulgado.

* O Grupo Supervielle SA informou que a empresa e a unidade Banco Supervielle SA transferiram a totalidade das ações que detêm na Cordial Microfinanzas SA para a Ciudad Microempresas SA por meio de um acordo firmado em março. O valor total da transação foi de 46,5 milhões de pesos argentinos.

PANORAMA DA AMÉRICA LATINA

* O Inter-American Development Bank (BID) obteve 317 milhões de dólares em capital novo durante uma reunião no Paraguai, sendo que mais de 55% do montante total foi empenhado por países da América Latina, informou o La Nación.

* A perspectiva de crédito soberano prevista pela Moody's para a América Latina e o Caribe é, de um modo geral, negativa. A avaliação negativa refere-se principalmente a países da América do Sul e o México, enquanto a América Central e o Caribe se beneficiam com o ambiente de preços baixos do petróleo. Os principais fatores que contribuíram para a perspectiva negativa são o baixo crescimento e a deterioração dos parâmetros fiscais.

Helen Popper contribuiu para esse artigo.

The Daily Dose tem um prazo editorial de 8:00 am horário de São Paulo, e verifica as fontes de notícias publicadas em inglês, português e espanhol. Alguns links externos podem exigir uma assinatura.